Tesouro Direto cobra nesta quinta taxa de quem tem mais de R$ 10 mil em títulos

Se um investidor tiver R$ 20 mil aplicados em títulos públicos, o cálculo será feito sobre R$ 10 mil

Nesta quinta-feira (1º) será cobrada taxa de quem tem mais de R$ 10 mil em títulos do Tesouro
Nesta quinta-feira (1º) será cobrada taxa de quem tem mais de R$ 10 mil em títulos do Tesouro Foto: Austin Distel/Unsplash

Ana Carolina Nunes, do CNN Brasil Business

Ouvir notícia

Antes de o ano terminar, os investidores que têm mais de R$ 10 mil aplicados em títulos públicos precisam calcular quanto representa 0,125% do excedente desse montante e transferir esse valor para a conta da corretora. Isso é importante, porque, nesta quinta-feira (1º), será cobrada a taxa de custódia da B3 — que guarda os papéis — exatamente nesse valor. 

Quem tem menos de R$ 10 mil investidos em títulos fica isento da taxa. Por isso, na ponta do lápis, funciona assim: se um investidor tiver R$ 20 mil em títulos públicos, o cálculo será feito sobre R$ 10 mil. Logo, o resultado da conta indica a cobrança de uma taxa de R$ 12,50.

Por sua vez, se o total devido for inferior a R$ 10, o valor será cobrado no semestre seguinte ou na data de encerramento da posição, dependendo do que ocorrer primeiro. Em caso de venda antecipada, o valor será cobrado independentemente do mínimo.

O Tesouro Nacional e a B3 se dizem atentos às possibilidades de reduções estruturais da taxa de custódia cobrada pela B3, envolvendo tais títulos: Tesouro Prefixado (LTN); Tesouro Prefixado com Juros Semestrais (NTN-F); Tesouro Selic (LFT); Tesouro IPCA + (NTN-B Principal) e Tesouro IPCA + Juros Semestrais (NTN-B).

Taxa de custódia

A taxa de custódia é provisionada diariamente, a partir da liquidação da operação de compra, em D+1. A cobrança do valor dos títulos em carteira, de forma pro rata (em partes iguais) ocorre nas seguintes situações: semestralmente (janeiro e julho); em eventos de custódia (resgate do principal, pagamento de juros); na venda antecipada e no encerramento da posição.

Nos casos em que há eventos de custódia ou venda antecipada, são cobradas as taxas acumuladas até então, sobre o valor dos títulos envolvidos na operação.

*Com informações de Magaléa Mazziotti

Mais Recentes da CNN